Pular para o conteúdo

Quando a Impotência sexual é emocional

Ainda é enorme o peso do termo impotência sexual para os homens... por conta disso, muitos fecham os olhos para o problema, relutando na hora de procurar ajuda médica.

De qualquer forma, não tem como se negar que a impotência sexual é, realmente, um tema delicado.

Embora muita gente associe a impotência sexual à pessoas mais velhas, ela pode, e vem sendo cada vez mais comum, surgir em jovens.

Segundo estudos recentes, se espera que em 2025 nada menos que 332 milhões de homens tenham que lidar com a impotência sexual. Número esse que representa mais do que o dobro do último levantamento, feito em 1995, quando 152 milhões sofriam com esse problema.

Por isso, já passou da hora da impotência sexual deixar de ser tabu, já que é uma realidade, que interfere na qualidade de vida de milhões de homens e que só tende a crescer ao longo do tempo.

Uma novidade que os homens estão usando para combater a impotência é o gocce casanova que é um produto natural para combater a impotência sexual.

Impotência sexual psicológica

Embora a impotência sexual ainda esteja muito associada á faixa etária, é importante considerar outros fatores que podem promover essa condição.

Não tem como não levar em conta o componente psicológico, que é o responsável por boa parte desses problemas.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Cambridge Well-Being Institute, o fator emocional é responsável por cerca de 10% a 20% dos casos de impotência sexual.

Nesse sentido, para tentar entender a impotência sexual entre os mais jovens, um estudo traçou uma relação entre a ansiedade e a depressão com a condição.

Sem dúvida não tem como desassociar a ansiedade da impotência sexual no início da vida sexual. E isso porque, a ansiedade pode acabar levando a um foco excessivo na qualidade da ereção, e isso afetar negativamente a excitação e, consequentemente, a ereção.

E mais, a ansiedade, se não for devidamente tratada, pode acabar virando um ciclo vicioso de problemas. Pois as falhas sexuais podem gerar perda da autoconfiança sexual, medo, insegurança o que, no final, podem levar a uma maior probabilidade de novas falhas.

Ainda de acordo com o estudo, há uma associação transversal entre sintomas depressivos e a impotência sexual, e a constatação de que os homens só procuram atendimento médico quando há uma maior gravidade do comprometimento da função erétil.

Ou seja, fatores emocionais influenciam muito no sexo e, assim, na impotência sexual.

Mas, é bom deixar claro que, acontecer a falha uma vez ou outra é normal, só pode ser considerado um problema quando a falha é recorrente. Nesses casos, o indicado é procurar um profissional qualificado assim que reconhecer o problema. Acredite, negligenciar é a pior opção.

Impotência masculina tem cura?

Então, a boa notícia é que a impotência sexual psicológica é geralmente uma condição temporária. Ela cura automaticamente no seu devido tempo e, muitas vezes sozinha, assim como surgiu, desaparece.

Porém, isso não deve ser motivo para não procurar ajuda médica assim que perceber que a falha anda acontecendo de forma recorrente.  A ajuda de um profissional é importante para que o problema seja resolvido o mais rápido possível.

Terapia para impotência sexual

Certamente, como fatores emocionais são as principais causas da impotência sexual, fica indispensável a figura de um psicólogo. Sem dúvida, o acompanhamento psicológico é imprescindível para reverter rapidamente o problema.

Mas, segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, o foco da terapia sexual deve ser o conforto sexual e o prazer, ou seja, melhorar o desempenho não é a prioridade no tratamento de impotência sexual.

A terapia tem por finalidade focar no prazer, reduzir a ansiedade, diminuir a ênfase no ato sexual e promover consciência das sensações sexuais, a recuperação da capacidade de ereção surge, portanto, como efeito do tratamento.

 

Deixe uma resposta